segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Poltergeist

Nesse clima de "espíritos" (com a fama do filme brasileiro "Nosso Lar") resolvi rever um grande clássico desse tema: Poltergeist. Para animar o domingão frio e chuvoso (dia da eleição - que também, vamos combinar, daria um ótimo filme de terror!) assisti Poltergeist ao lado de minha sobrinha de 7 anos! Isso mesmo, é bom aprender a gostar desde cedo! hahahahahaha! E ela nem ficou com medo!

Não sei se é porque estou crescidinha, mas achei o filme bem fraco! (No quesito MEDO) - como disse, nem minha sobrinha de 7 anos ficou. Eu tinha em minha memória que este era um filme assustador! Sei lá o que aconteceu! (Talvez seja porque, atualmente, os fantasmas não assustam mais... temos muito mais medo dos malucos de carne e osso que podem aparecer a qualquer momento - é só olhar as páginas dos jornais!)

Ainda assim é um filme bem legal! (Aos mais jovens que ainda não viram, vale a pena ver!)

É engraçado ver os efeitos bem mal feitos (mas que na época eram sensacionais!). Poxa, o filme é de 1982, o ano que eu nasci (e... vamos combinar, já não sou nenhuma menininha! hahahahaha)



O filme conta a história da família Freeling que é atormentada por fantasmas em sua casa. Tudo começa com a pequena Carol Anne ouvindo vozes e conversando com o televisor. Depois os fantasmas começam a se comunicar movendo móveis. A princípio, tudo acontece de maneira bastante amistosa... mas, aos poucos, as coisas vão ficando mais assustadoras, até que em uma tempestade a paz acaba! A menininha é, então, sequestrada pelos espectros. Todos se desesperam e pedem ajuda a especialistas. Primeiramente pedem socorro a cientistas que garantem resolver os problemas... mas nem eles imaginavam que as coisas estavam tão feias naquela casa. A situação se torna desesperadora e resolvem chamar uma médium. Ela (uma figura minúscula com uma voz fininha!) sabe o que está acontecendo e os ajuda a resgatar Carol Anne.
Então descobrimos que aquela casa tinha sido construída sobre um antigo cemitério.
A família decide sair daquela casa para tentar uma nova vida. Quando tudo parece resolvido, eles (os espíritos) retornam, com ainda mais força.


Sabemos que o filme teve continuação (dois outros filmes: Poltergeist II - O Outro lado, de 1986 e Poltergeist III - O Capítulo Final, de 1988). Estes não foram tão elogiados como o primeiro, que se tornou um clássico dos anos 80.


É um filme bem feito, com uma ótima trilha sonora (chegou a ganhar oscar na época) e muita mão de Steven Spielberg (roteirista e produtor). Além disso, foi bastante cercado por polêmicas - já que alguns atores morreram de modo estranho. Por exemplo, Dominique Dunne, que interpretou a filha adolescente, morreu no mesmo ano do lançamento do filme, asfixiada pelo seu namorado (bom, isso não ficou provado até onde eu sei... O fato é que o cara dizia tê-la encontrado em estado de choque... Ela ficou em coma alguns dias e morreu. A menininha loirinha que fez Carol Anne (Heather O'Rourke) também morreu estranhamente aos 12 anos, logo depois de ter filmado o terceiro filme, em 1988. Bom... se os espíritos tem alguma coisa a ver com essas mortes... eles não quiseram chegar perto de Spielberg, heim!?






Vejam esse filme! Vale a pena! Não porque seja muito assustador, mas por ser um grande clássico do cinema de horror, feito com muito cuidado. Esse filme influenciou muitos outros que vieram depois.
Mas fique tranquilo... apesar de algumas gosmas, dá até pra assistir comendo pipoca! (E pra convidar as crianças, como eu fiz! hehehehehe)



Título original: (Poltergeist)
Lançamento: 1982 (EUA)
Direção: Tobe Hooper

2 comentários:

ninhodamente.com.br disse...

Filme maneiro. Classicão de infância mesmo. O palhaço do demo metia medo nas criancinhas. E teve mais gente que morreu no processo também. Fora o lance dos esqueletos reais que usaram no primeiro filme. Eu escrevi algo a respeito uns tempos atrás. Aliás, praticamente a um ano atrás. Se interessar:

http://www.ninhodamente.com.br/2009/10/mgm-e-maldicao-de-poltergeist.html

Inté! =]

Taciana disse...

Pois é! Nem falei do palhaço... mas ele é realmente assustador! hehehehe!
Vou ler seu artigo!